• Renato Mendes

Porque não misturar as finanças da Empresa com as pessoais e algumas dicas para separá-las!


Misturar as finanças pessoais com as da empresa é um erro muito comum e frequentemente cometido pelos empreendedores, principalmente os que estão começando.

Não separar as contas pessoais do negócio, além de prejudicar a saúde financeira da sua empresa, distorce as informações e pode coloca-la em sérios riscos.


Uma empresa tem personalidade jurídica, pode assumir compromissos e possui saúde financeira, logo ela deve ser tratada como um “ser” independente. Fique atento pois são pequenas ações do dia à dia, que podem parecer inofensivas, que formam hábitos muito ruins para a gestão do negócio. Começa geralmente assim: em um dia muito corrido, entre uma reunião e outra, você paga seu cartão de crédito, condomínio do seu apartamento pela conta bancária da empresa e esquece de transferir no fim do dia. Ou então tira dinheiro do caixa com essa mesma finalidade e esquece de repor. E aí, quando vai ver a empresa está no vermelho com um buraco financeiro.


Em hipótese alguma utilize recursos das empresas para pagar despesas pessoais, exceto obviamente aos que tem a finalidade de remuneração aos sócios, como pró-labore e distribuição de lucros e dividendos.


Mas afinal de contas porque toda essa preocupação? Bem, abaixo vou relacionar alguns bons motivos para não misturar as finanças da empresa com as pessoais:


· Informações imprecisas: despesas que não pertencem ao negócio e são absorvidas por ele causam impacto no resultado e geram informações distorcidas que podem atrapalhar a tomada de decisões estratégicas.


· Impacto no preço do produto/serviço: outro ponto relevante é a precificação do seu produto/serviço que pode ser influenciado, normalmente majorado, para conseguir atingir o ponto de equilíbrio (despesa = receita) e isso pode fazer você perder espaço para a concorrência.


· Problemas entre sócios: esse descontrole pode ocasionar uma prestação de contas imprecisa acarretando atritos entre sócios que podem se sentir prejudicados por entender que estão sendo remunerados de forma desigual.


· Problemas com o Fisco: retiradas não classificadas corretamente podem gerar problemas futuros junto ao Fisco quando for necessário apresentar determinadas declarações e obrigações, como por exemplo o Imposto de Renda do sócio.


· Massa de serviço para Contabilidade: a contabilidade da empresa terá mais trabalho desnecessariamente o que pode acarretar falhas nas informações e aumento de custo dos honorários contábeis.


Com todos esses argumentos espero que você, empresário, esteja convencido que não é uma boa ideia misturar as finanças da empresa com as pessoais. Abaixo vou te passar algumas dicas simples mas que podem ajudar bastante nessa temática:


1. Faça um planejamento consistente das finanças pessoais e da empresa: esse planejamento tem o objetivo de conhecer o valor do capital de giro que a empresa precisa para manter sua operação e o quanto você precisa de renda para sua vida (pagar contas, lazer, etc). Essa informação vai ajudar a definir o próximo passo.


2. Defina um Pró-labore para os sócios: sabendo quanto você e sua empresa precisam para sobreviver você, pode definir um pró-labore com maior assertividade de forma a evitar que você mexa na conta da empresa para resolver situações pessoais. Lembrando que por questões fiscais, além do pró-labore é indicado realizar distribuição de lucro entre os sócios, que é um assunto que abordamos em outro post.


3. Otimize o controle financeiro: Utilize os aplicativos da contabilidade online para ajudar a controlar as finanças da empresa. Na Green Finanças você tem acesso ao sistema de gestão que possui diversos benefícios, além de contar com a ajuda de profissionais especializados.


4. Crie reservas financeiras para você e sua empresa: É muito comum tanto empesas quanto pessoas passarem por momentos de instabilidade. Quando isso ocorre tem que controlar o impulso de se socorrer no caixa da empresa pois, como falamos, isso pode ter um desfecho desagradável. Ter uma reserva financeira para momentos como esse é algo que pode promover uma tranquilidade muito grande e conseguir passar por essas instabilidades sem perder o sono.


5. Disciplina: a boa e velha disciplina é a palavra chave para conseguir seguir todas as dicas anteriores, caso tenham feito sentido para você! Lembre-se que disciplina é algo que se adquire além de ser possível exercitá-la. Crie bons hábitos e se esforce para segui-los, com o passar do tempo o esforço vai diminuindo até que ele seja incorporado em sua rotina e passe a ser executado de forma automática, como escovar os dentes.


Espero que tenha gostado deste artigo. Nós da Green Finanças desejamos muito sucesso à todos os Empreendedores brasileiros.

3 visualizações0 comentário